18 September 2010

De profundis



Agora que o Tempo já não vai tendo tempo para Ser

nesta solidão de coisa imperfeita
carne sangue de homem
e
de
loucura 
de tantas ideias tolas
com que se foi fazendo pouco mais que nada
Te chamo
e Te vou dizendo
Quia apud Dominum misericordia

Pois tudo te agradeço;
este naco de vida
em que senti
o que é ser

e dos outros ainda mais
irmãos
fratelli
nós

De profundis clamavi ad te, Domine
Domine exaudi vocem meam

ah, Nwahulwana

mãe
Terra
Mar
Céu

meu
Deus
ilumina
a escuridão negra do meu coração

quando
me for
voando
adentro de estrelas
sem esteira
sem rumo
sem saber
se
a
alma
que me foi dada
germinou
em mais
do que apenas Isto


No comments: